Nosso Blog

Avaliação do desempenho energético de residências através da simulação computacional

Uma casa eficiente é aquela que proporciona o conforto a seus moradores utilizando o menor consumo de energia possível. A melhor forma de conseguirmos isso é utilizar meios passivos de iluminação e ventilação, utilizando, por exemplo, grandes aberturas.

Mas é preciso ter cuidado! A incidência da radiação solar direta no edifício resultará em um ganho de calor, que pode ser benéfico, no inverno por exemplo, mas que geralmente é responsável por causar grande desconforto, em boa parte do ano, na maioria das cidades brasileiras.

Mas o que o desempenho energético tem a ver com isso? De forma simplificada, quanto mais calor a residência absorve através da radiação solar externa, maior será sua temperatura interna, e mais energia será gasta para regular essa temperatura, através do ar-condicionado, por exemplo.

Para proteger nossas residências dessa radiação podemos utilizar brises, marquises, beirais, e diversos outros elementos arquitetônicos disponíveis. Entretanto, como saber se eles serão suficientes? Ou se permitirão a entrada de luz e ventilação necessárias ao ambiente?

Quando for construir sua residência, tenha em mente que a luz é essencial, mas a iluminação natural que promove o conforto lumínico, também é responsável por trazer ganhos térmicos à edificação, o que pode acarretar na elevação do consumo de energia pelo sistema de refrigeração. Entretanto, caso a iluminação natural não seja suficiente, teremos que utilizar a iluminação artificial, que irão consumir energia e também reduzir o desempenho da casa.

Note que a conciliação entre o conforto térmico e lumínico em uma residência não é tarefa fácil, e por isso muitas casas brasileiras sofrem com super aquecimento, iluminação insuficiente, ventilação precária, e diversos outros problemas que podem prejudicar a saúde dos seus ocupantes.

Para nos auxiliar a equalização dessa balança, temos em mãos softwares que possibilitam a simulação confiável da arquitetura, sistemas construtivos e acondicionamento de ar. Com eles conseguimos traduzir o comportamento das trocas térmicas de cada cômodo da residência ainda em projeto, e podemos estimar seu consumo de energia quando estiver finalizada e habitada.

Além disso, conseguimos realizar ajustes nos materiais, aberturas, sombreamento e demais características arquitetônicas para que seja uma casa confortável, saudável e econômica ao longo do ano todo. Através da simulação pode-se também analisar o atendimento a norma brasileira de desempenho, a NBR 15575, e provar que a construção está de acordo com as especificações de desempenho térmico e lumínico.

Como resultado teremos uma casa fresca no verão, agradável no inverno, bem ventilada e iluminada, com baixo consumo de energia, e que comprovadamente atende as normas brasileiras de desempenho!

Texto de Thais Firmino Cerveira

Engenheira Ambiental e Consultora de Sustentabilidade

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on linkedin